sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Os pais e irmãos do imigrante Karl Ludwig Wilhelm Kruel



OS PAIS E IRMÃOS DO IMIGRANTE KARL LUDWIG WILHELM KRUEL


Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: MOUSQUER, Zélce Darclé. (Inclua o título e data da postagem) in http://www.familia-kruel.com.br, nos termos da Lei nº 9.610/98.


Os pais do imigrante

FRIEDRICH LUDWIG KRUEL pai do imigrante Karl Ludwig Wilhelm Kruel, nasceu em 1743 em Baumholder, Rheinland, Germany onde faleceu em 16.1.1796 aos 52 anos, em Baumholder. Era Oberschultheiss (administrador).
Os pais de Friedrich Ludwig Kruel (avós do imigrante) foram Karl Ludwig Gruhl, nascido em 1693 em Wimpfen im Tal, Baden-Württemberg, Deustschland e falecido aos 50 anos,em 6.7.1743, em Niederbronbach , Rheinland-Pfalz, Deutschland,onde foi pastor e Maria Elisabeth Kültz.

Friedrich L. Kruel casou-se em 14.3 1775, Altenglan, município do distrito de Kusel, Renânia, com CHRISTIANA SOPHIA ELEONORE HENRICI nascida em 15.9.1753 e batizada em 21 de setembro do mesmo ano, em Thallichtenberg, Rheinland, Preussen. Christiane faleceu em 29.12.1816, Baumholder, onde foi sepultada em 1.1.1817.
Os pais de Chistiane foram Johann Jacob Henrici (pastor luterano) e Johanna Philippina Juliana Niebergall, casados em 16.4.1750 em Neunkirchen am Potzberg, Altenglan, Kusel, Rheinland-Pfalz.

Registro de casamento de Johann Jacob Henrici e Johanna Philippina (avós maternos do imigrante). Ainda sem tradução.

Assinatura do Pastor Johann Jacob Henrici datada de 1756

Fotos obtidas em microfilme de Kirchenbuch


A vida pastoral e alguns dados familiares sobre Johann Jacob Henrici, foram relatados por Wilhelm Klaus e publicados em 2006, na Revista Westricher Heimatbäter, Germany. Tal obra detalha a vida do pastor luterano Henrici em sua jornada eclesiástica nas diversas cidades dos distritos de Birkenfeld e Kusel, entre elas, Thallichtenberg (1749-1752), Battweiler/Pfalz (1752-1760) e em Waldmohr (1760-1766) retornando, depois, para Kusel. Foi diácono em Lichtemberg.
Johann Jacob Henrici nasceu em 20.1.1719 em Worms/Rheinland-Pfalz e faleceu aos 64 anos, em 22.3.1783 Kusel, Rheinland-Pfalz.
Em 1748, quando Johann Jacob Henrich começa seu trabalho como vigário em Kusel, ele latiniza seu nome para HENRICI.

Seus pais foram Johannes Henrich nascido em 1700 e falecido em 1741, comandante de navios e Anna Margaretha Rudolff, falecida em 1741 (?), ambos luteranos.
O casal Johanne e Anna Margaretha teve dois filhos identificados:
Johann Jacob Henrici e Anna Maria Henrich, nascida em 1719 (?) Worms.

Wilhelm Klaus na biografia do Pastor Johann Jacob Henrici, refere-se ao “Pregador e Capelão Kruel” vivendo em Kusel entre os anos de 1769-1771. Provavelmente, trata-se de Friedrich Ludwig Kruel que irá casar em 1773 com a Christiana, a filha do referido pastor.
A biografia do Pastor Johann Jacob Henrici, escrita por Wilhelm Klaus, foi publicada na Revista Westricher Heimatbäter, Germany, 2006, p.52 – 77, com o título “Johann Jacob Henrici, Pfarrer und Inspektor zu Kusel” (Johann Jacob Henrici, Pastor e Inspetor em Kusel). Tradução: Hans R. Richter, abril/2009, Porto Alegre.

Johanna Phlippina Juliana Niebergall nasceu em 1734 em Neunkirchen/Potzberg/Kusel, casou-se aos 16 anos em 16.4.1750 com Johann Jacob Henrici.

Em 2007, a Revista Westricher-Kalender, Germany publicou a biografia do pai de Johanna Philippina, um destacado pastor luterano (Johann Anton Honsdorf-lutherischer pfarrer und inspektor zu Lauterecken/Johann Anton Honsdorf, pastor e inspetor luterano em Lauterecken). Sem tradução.
Johann Jacob e Johanna Philippina tiveram 8 filhos

Philippina Juliana Elisabetha Henrici
Christiana Sophia Eleonore Henrici
Carl Friedrich Ludwig Henrici
Philipp Christian Andréas Henrici
Carolina Marianna Louisa Henrici
Wilhelm Carl Friedrich Ludwig Henrici
Louisa Henrici
Dorothea Wilhelmina Henrici.

Oberschultheiss: o significado é um tanto complexo, seria o responsável pela comunidade, pelo feudo, um administrador, funcionário com poderes administrativos, fiscais e/ou jurídico, variava de região para região. Um Schultheiss era um conselheiro municipal, coletor de impostos, isto já na Idade Média. Um Ober (Oberschultheiss) significava um cargo acima do conselheiro.
Reiner Schmitt, em Familienbuch der Evangelisch/Lutherischen Pfarrei Birkenfeld/Nahe - 1798 – 1905, pág 551, refere-se a Friedrich Kruel como Amtmann, que parece ter o mesmo sentido de oberschultheiss


O significado do sobrenome Kruel tem origem em apelido, nomes usados para destacar um aspecto particular de um indivíduo. No caso, uma variante de Kroll (Krolle, Krulls, Krulle, Kruhl, Croel, Crul), significando pessoa com cabelo encaracolado, enrolado, anelzinho. Dados mais antigos referentes ao sobrenome Kruel ou variante, remetem a uma pessoa chamada Peter kruel, em 1295 na cidade de Rottweill, a Henrich Kruel em 1325 em Barth e John Kruel em 1353 em Hannover.
Informação obtida no Centro de Pesquisa Histórica –Orlando/USA.
Nos registros de batismo dos irmãos do imigrante, encontramos o nome Kruel, também grafado como Kruell.
No Brasil o imigrante passa a adotar a grafia Carl para seu nome . 



Registro de óbito de Friedrich Kruel, pai do imigrante (1796)

1796
Aos 16 janeiro morreu em consequência de febre muito alta e foi sepultado em terra cristã, no dia 18, o Senhor Oberschultheiss Friedrich Kruel, com a idade de 52 anos e 4 meses.
Foto obtida em microfilme/ Baumholder – CHF/Porto Alegre


Registro de batismo de Christiana Sophia Eleonora Henrici -1753 (mãe do imigrante Karl L.W. Kruel)
Registro de batismo de Christiana S. E. Henrici, enviado pelo arquivo de Boppard, Alemanha. Tradução: Gaspar Henrique Stemmer ,abril 2009 - Porto Alegre.

Den 21 ten 7br wurde mein Johann Jacob Henrici und meiner Ehe-Gattin frau Johanna Philippina Juliana den 15 ten dieses abends gegen halb elff Uhr gebohrnes Töchtergen getauftet.Gevattern war Frau Johanna Christiana Moherin gebohrn SteineRin(?) des hochEdel geb. und Hochgelehrten Herrn Friedrich Christian Mohers hierselb Pfalz Zweybrck Kellers(?) in Ober Amt Lichterberg frau Eheliebte, sodann frau Sophia Eleonora des Hoch Ehrwürdig und hochgelehrten Herrn Johann Justi Tenders Evangelisch Lutherischen Inspectoris des Ober-Amts Lichtenberg frau Eheliebte und der Hochwohl Ehrwürdig und Hochgelehrte Herr Christian Michael Kohlermann Evangelisch Lutherisches Pfarrer zu Lötzbeuren.Das Kind Heisst: Christiana Sophia Eleonora.

No dia 21 de setembro foi batizada a minha filhinha nascida em 15 deste (mês) à noite pelas 10h30min, minha, de Johann Jacob Henrici, e de minha esposa senhora Johanna Philippina Juliana. Padrinhos foram a senhora Johanna Christiana Moher, nascida Steiner (?), amada esposa do altamente nobre de nascimento e altamente ilustrado senhor Friedrich Christian Moher, adegueiro (?) aqui em Zweibrücken, no Pfalz, na jurisdição superior de Lichtenberg, assim como a senhora Sophia Eleonora, amada esposa do altamente honrado e altamente estudado senhor Johann Justi Tender, inspetor evangélico luterano da jurisdição superior de Lichtenberg, e o muito altamente reverendo e altamente ilustrado senhor Christian Michael Kohlermann, pastor evangélico luterano em Lötzbeuren.
A criança se chama Christiana Sophia Eleonora.



Os irmãos do imigrante


O casal Friedrich L. Kruel e Christiane Sophia E. Henrici teve os 7 filhos a seguir:


1. JOHANN FRIEDRICH CHRISTIAN KRUEL nasceu 10.1.1776 em Baumholder, Rheinland, Prússia, onde foi batizado em 14.1.1776 (Evangelisch Lutherische Baumholer). Faleceu em 3.2.1780 em Baumholder, Rheinland, Prússia.

2. SUSANNA PHILIPPINA CHRISTIANA KRUEL nasceu 18.9.1778 em Baumholder, Rheinland, Prússia,onde foi batizada em 22.9.1778 (Evangelisch Lutherische Baumholer).


3. FRIDERICA CHRISTIANA CAROLINA KRUEL, nasceu 6.5.1781 em Baumholder, Rheinland, Prússia.


4. JOHANN PHILIPP FRIEDRICH KRUEL nasceu 9.4.1784 em Bumholder, Rheinland, Prússia onde foi batizado em 13.4 1784. Casado com Susanna Elisabetha Napp, estabeleceu-se como comerciante na cidade de Idar, onde seu filho Philipp (nascido em 3.10.1831 e falecido em 10.4.1917, casado com Luise Maus) viveu como ourives. Philipp e Luise tiveram 2 filhos: Friedrich Wilhelm Kruel comerciante, (casado com Anna Molter),leiloeiro juramentado em Idar,Hauptstr,Rua Principal) e Wilhelmine nascida em 6.12.1855 e falecida em 3.3.1932


5. SOPHIA CHRISTIANA KRUEL nasceu 19.8.1786 em Baumholder, Rheinland, Prússia e faleceu em 2 março 1812. Casou em 1.8.1809 com Joseph Paul, que exercia uma função administrativa junto à Justiça de Paz de Birkenfeld, filho de Christoph Paule e Margarethe Finstinger.


6. O imigrante KARL LUDWIG WILHELM KRUEL (registro postado anteriormente).


7. LUISA DOROTHEA KRUEL nasceu 10.4.1794 em Baumholder, Rheinland, Prússia, onde foi batizada em 15.4.1794 (Evangelisch Lutherische Baumholer). Faleceu em 21.6.1797, Baumholder, Rheinland, Prússia.



As fotos dos registros foram obtidas no microfilme Evangelische Kirche/ Baumholder/CHF.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Charlotta Juliana Bier



CHARLOTTA JULIANA BIER

Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: MOUSQUER, Zélce Darclé. (Inclua o título e data da postagem) in http://www.familia-kruel.com.br, nos termos da Lei nº 9.610/98.

A imigrante CHARLOTTA JULIANA BIER nascida em 16 maio 1776 em Baumholder, Rheinland, Palatinate-Zweibrucken, foi batizada na Igreja Evangélica Reformada (Calvinista) em 19 de maio do mesmo ano. Faleceu 21 setembro 1870, Santa Maria/RS

Registro batismo de Charlotta Juliana Bier - Baumholder
Foto do registro obtida em microfilme/CHF – Igreja Evangélica Reformada - Baumholder

(1ª coluna) Criança:
Charlotta Juliana nasceu 16 maio( 1776), batizada em 19 de maio.
(2ª coluna) Pais:
Johann Friedrich Bier.......... e Charlotta Catharina
(3ª coluna)Testemunhas:






Registro de óbito da imigrante Juliana Bier
Microfilme Santa Maria - Centro de História da Família/Porto Alegre.

Assento do falecimento de Juliana Bier
Aos dezeceis dias do mês de janeiro do ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil oitocentos e setenta e quatro, n’esta villa de Santa Maria da Boca do Monte, em meu cartório compareceu Carlos Lampert, morador n’esta villa e de profissão ourives, e por elle me foi dito que Juliana Bier falleceu aos vinte e hum de Agosto de mil oitocentos e setenta, estave cinco dias doente, tratamento cazeiro, natural d’Alemanha, professava religião evangélica. Do que para constar fiz este assento em que assigna o participante com duas testemunhas.
Eu ....Borges da Fontoura, Escrivão que escrevy e assigno.
Carlos Lampert
Gulherme Fischer

Sobre Juliana Bier:
JUNG, 1993, p 136 refere-se à esposa de Karl Ludwig Wilhelm Kruel, nomeando-a apenas como "JULIANA BIER, nascida em 16.5.1776, filha de Friedrich e Charlotta Katharina".

Uma exaustiva busca em microfilmes nos revela duas Julianas Bier:
- CHARLOTTA JULIANA BIER, cuja data de nascimento e filiação coincidem com as informações de JUNG.
- JULIANA MARGARETH BIER, nascida em 17.11.1792, filha de Johann Heinrich Bier e Maria Elisabeth.

Porém, se considerarmos que a data de nascimento de Charlottta Juliana está correta, ela teve sua última filha, Catarina, com 59 anos !!!

Podemos pensar na hipótese de que tenha existido uma outra filha do casal Friedrich e Charlotta Katharina, também chamada Juliana, nascida em data posterior (não localizada em microfilmes) a qual poderia ser a esposa do imigrante Kruel. Considero esta hipótese a menos provável.

Expus esta questão para Jerry Brum, ( os diálogos podem ser lidos em seu site) pesquisador americano que, entre outras famílias, pesquisa a família Bier nos Estados Unidos. Jerry concordou comigo e passou a chamar a imigrante de Juliana Margareth Bier.

Eu optei por adotar a linha de pesquisa de RUDI JUNG, que teve acesso aos registros paroquiais, mesmo considerando a possibilidade de estarmos lidando com algum dado não correto, e considerar a esposa do imigrante como CHARLOTTA JULIANA BIER, até o momento em que tenhamos novos dados.

Karl Ludwig Wilhelm Kruel



KARL LUDWIG WILHELM KRUEL

Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: MOUSQUER, Zélce Darclé. (Inclua o título e data da postagem) in http://www.familia-kruel.com.br, nos termos da Lei nº 9.610/98.


O imigrante KARL LUDWIG WILHELM KRUEL, nasceu em 7 abril 1790 em Baumholder, Rheinland, Prússia e foi batizado em 12 abril de 1794. Casou-se em 1813/Baumholder/ Dept. Saar/ France, com Charlotta Juliana Bier. Faleceu em Santa Maria/RS, em 5 setembro 1871.

Registro de batismo de Karl Ludwig Wilhelm Kruel
Registro enviado pelo Ev. Archivstelle Boppard, Alemanha. Tradução: Hans R. Richter/Porto Alegre

Karl Ludwig Wilhelm, ein Söhngen des Herrn Oberschultheißen Friedrich Kruels und dessen Eheliebste Frau Christiana, einer gebohrenen Henriciin, wurde zur Welt gebohren den 7ten Aprill und den 12ten eiusdem zur Tauf gebracht. Die Gevattern waren: 1. Carl Wilhelm Traut, fürstlich Nassau-Usingischer Mundkoch zu Bieberich. 2. Friedrich Ludwig Traut, Candidatus Theologiae zu Neunkirchen. 3. Dorothea Wilhelmina, des weyland Herrn Inspector Henerici zu Kusel hinterlaßene Jungfer Tochter.

Karl Ludwig Wilhelm, um filho do prefeito Friedrich Kruels e sua querida esposa, Cristiana, nascida Henriciin, nasceu no dia 7 de Abril (1790) e foi batizado no dia 12 de Abril (1790). Os padrinhos foram: 1. Carl Wilhelm Traut, cozinheiro da familia de Nassau-Using de Bieberich. 2. Friedrich Ludwig Traut, candidato a teologia em Neunkirchen. 3. Dorothea Wilhelmina, filha solteira do então Inspetor Henerici de Kusel.




Registro de óbito do imigrante Carlos Kruel
Assento do falecimento de Carlos Kruel
Aos dezeceis dias do mês de janeiro do anno do nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil oito centos e setenta e quatro, n’esta villa de Santa Maria, em meu cartório compareceu Carlos Lampert, morador n’esta villa e de profissão ourives, e por elle me foi dito que Carlos Kruel falleceu no dia cinco de septembro de mil oito centos e setenta e hum e estava trinta dias doente, tratamento caseiro, era natural d’Alemanha, professava religião evangelica. Do que para constar fiz este termo em que assigna o participante com duas testemunhas.
Eu , Fructuoso Borges da Fontoura, Escrivão que o escrevy.
Carl Lampert
Guilherme Fischer



Mausoléo da Família do imigrante Carl Ludwig Wilhelm Kruel - Foto J. A. Brenner/ Santa Maria/RS,  14.5.2012.

O Jazigo encontra-se no Cemitério Municipal de Santa Maria (Quadra 20). Localizava-se na área do antigo Cemitério Evangélico Luterano, hoje absorvido pelo Cemitério Municipal. As lápides superiores referem-se a Christiano Kruel e sua esposa Elisabeth Fuchs e a lápide inferior indica que ali esta´sepultado o casal de imigrantes Karl Ludwig Wilhelm Kruel e sua esposa Juliana Bier. 

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

O Casal de Imigrantes



O CASAL DE IMIGRANTES


Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: MOUSQUER, Zélce Darclé. (Inclua o título e data da postagem) in http://www.familia-kruel.com.br, nos termos da Lei nº 9.610/98.


                                       Assinatura dos imigrantes - escritura/1861.

KARL LUDWIG WILHELM KRUEL evangélico luterano, tintureiro, nasceu em 7 de abril de 1790 em Baumholder junto a St. Wendel, povoação da Prússia Renana, isto antes da unificação da Alemanha em 1871 e foi batizado em 12 de abril do mesmo ano. Faleceu em 5 setembro 1871 em Santa Maria/RS.
Karl casou-se em 1813 ,Baumholder (?) com CHARLOTTA JULIANA BIER, ev. Reformada, nascida em 16 maio 1776, Baumholder, Rheinland, Prússia, onde foi batizada em 19 maio 1776,Evangelisch-Reformierte (Igreja Ev. Reformada). Juliana faleceu em 21 agosto de 1870, em Santa Maria/RS.

O casal irá enfrentar a travessia do Atlântico acompanhado de cinco filhos:

1.CARL FRIEDRICH PETER KRUEL/Carlos Kruel nascido em 7 fevereiro 1814, Baumholder, onde foi batizado em 13 de fevereiro do mesmo ano. Emigrou aos 14 anos.

2.HENRIETTE PHILIPPINA KRUEL/Henriqueta Kruel nascida em 18 de Agosto 1815, Baumholder, onde foi batizada em 22 agosto do mesmo ano. Emigrou aos 12 anos

3.FRIEDRICH KRUEL/Frederico Kruel nascido em 23 abril 1817, Baumholder, batizado em 27 abril do mesmo ano. Emigrou aos 10 anos.

4.JULIE ELISABETHA KRUEL/Juliana Kruel nascida em 20 fevereiro 1819, Baumholder, onde foi batizada em 24 de fevereiro do mesmo ano. Emigrou aos 8 anos.

5.ROSINA CHRISTIANA KRUEL/Rosa Kruel nascida em 13 fevereiro 1826, Baumholder, onde foi batizada em 16 fevereiro do mesmo ano. Emigrou com 1 ano de idade.

No Brasil, irão nascer outros cinco filhos.

6. JOHANN CHRISTIAN KRUEL/João Christiano Kruel nascido em 8 maio 1829 em Dois Irmãos/RS (a lápide de sua sepultura informa ter nascido em Taquary) e batizado em 28 maio do mesmo ano.

7. JOHANN ERNST KRUEL/João Ernesto Kruel nasceu em São Leopoldo/RS em 13 de março de 1831, batizado em 17 março do mesmo ano.

8. EMILIA KRUEL (a confirmar)

9. ELISA KRUEL (a confirmar)

10. KATHARINE KRUEL/Catarina Kruel nasceu a 30 janeiro 1835 em Bom Jardim/RS.

A Cidade de Origem - Baumholder





A CIDADE DE ORIGEM - BAUMHOLDER



Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: MOUSQUER, Zélce Darclé. (Inclua o título e data da postagem) in http://www.familia-kruel.com.br, nos termos da Lei nº 9.610/98.





BAUMHOLDER, a cidade de origem dos Imigrantes Kruel/Bier, é uma pequena comunidade, situada no centro-oeste do estado da Renânia Palatinado, (região do Hunsrück) cerca de 70 Km da fronteira francesa e a duas horas de Frankfurt, localizada no distrito de Birkenfeld, fronteira com Saarland. Situa-se entre as montanhas do Hunsrück (cordilheira) e o Nordpfälzer Bergland, e é cortada ao norte pelo Rio Nahe.

No período do domínio francês, Baumholder foi um cantão no centro de Birkenfeld. Após o Congresso de Viena, fez parte do pequeno território do Ducado de Saxe-Coburgo Fürstentum Lichtemberg, e a partir de 1834, aparece como uma aldeia no distrito prussiano de St. Wendel. Surge, então, como a cidade de Baumholder após 1835.

Baumholder tem, atualmente, em torno de 4.800 habitantes e uma comunidade americana de 13.000 pessoas entre soldados e civis, em uma área de 69.47 Km2. A Segunda Guerra Mundial trouxe os militares alemães para Baumholder, quando a cidade foi escolhida, pelo Terceiro Reich, como espaço de formação militar. Para isto, o governo alemão apropriou-se das terras e reassentou os habitantes em outros locais.


Hoje, a cidade de Baumholder coexiste com uma das maiores bases aéreas americanas (desde 1951) usadas para treinamentos militares, o que tem ampliado, significativamente, a área urbana e o desenvolvimento da cidade.


Até o século XX, a agricultura foi a atividade predominante entre seus habitantes, hoje, a formação militar, o artesanato e o comércio tem grande destaque na vida econômica da cidade.


Baumholder dista cerca de uma hora de Bad Duerkhein, onde tem início a Rota do Vinho Alemão (65% a 70% da produção de vinho alemão, tem origem na Renânia) ficando, também, muito próxima da Rota alemã das Pedras Preciosas, cujo destaque é a vizinha cidade de Idar-Oberstein.


Os pais do imigrante Kruel ( Friedrich Kruel e Christina S.E. Henrici ) casaram em Altenglan, distrito de Kusel, estado de Rheinland-Pfalz (Renânia Palatinado), isto porque a mãe do imigrante Kruel, Christina S.E. Henrici, residia com sua família, em Altenglan, onde seu pai desempenhava a função de pastor da igreja luterana. Em seguida, o casal transfere-se para Baumholder, onde irão nascer seus sete filhos. Baumholder e Altenglan, distam 22 Km uma da outra. Como já nos referimos, estão situadas no mesmo estado da Renânia Palatinado, porém em distritos distintos, ou seja distrito de Birkenfeld e de Kusel, respectivamente.

A Alemanha dos Imigrantes




A ALEMANHA DOS IMIGRANTES


Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: MOUSQUER, Zélce Darclé. (Inclua o título e data da postagem) in http://www.familia-kruel.com.br, nos termos da Lei nº 9.610/98.


Nossos imigrantes nasceram sob a dominação francesa de Napoleão que, neste momento, tinha sob seu domínio os terrritórios à margem esquerda do Reno.
Ao decidirem embarcar rumo ao Brasil, Karl Kruel e Charlotta Juliana Bier deixavam a Renânia já não ocupada pelos franceses, mas sob a estrutura de uma Confederação Germânica disputada entre as duas potências germânicas, Áustria e Prússia.
Baumholder pertencia, então, ao pequeno território do Ducado de Saxe-Coburgo.



No mapa acima (territorios ocupados pela Prussia), notamos Baumholder pertencendo ao terrritório da Prússia (entre o Principado de Birkenfeld e a Baviera Renana). Por decisão do Congresso de Viena, a Prússia foi contemplada com a antiga Província do Reno e o Departamento de Saar. Mapa redesenhado, digitalmente, por
José Antonio Brenner.

Como não faziam parte de uma nação constituída, os imigrantes se apresentavam às autoridades da imigração brasileira, como súditos dos diferentes países soberanos. Daí se identificarem como vindos da Prússia, Áustria, Hessen, Baden, Hannover, França, Baviera, Oldenburg, Sachsen-Coburg (a Alemanha surge como nação a partir de 1871, quando teremos, então, "cidadãos alemães").

Para entendermos as causas desta imigração, precisamos nos reportar a ocupação Napoleônica, dos territórios à margem esquerda do Reno até 1816. Neste período, Napoleão decretara obrigatória a vacinação contra a varíola, o que reduziu consideravelmente a mortalidade infantil. Este fato, aliado a novas concepções de higiene e de alimentação, irá provocar uma explosão demográfica, acarretando graves problemas sociais. Além disso, a diminuição gradativa das propriedades, em função das partilhas, os anos de péssimas colheitas, as doenças dizimando os rebanhos, a introdução do direito absoluto da propriedade ( fazendo com que a utilização do produto florestal fosse uma atividade proibida), o esgotamento das reservas de pedras preciosas, gerando uma crise na indústria de lapidação em Birkenfeld, as destruições provocadas pelas guerras, irão gerar fome e empobrecimento generalizado. Conforme Hunsche, a posse dos territórios do Reno por parte da Prússia, país protestante por excelência, teria contribuído para o surto de emigração católica na década de 20 do século XIX.

Enquanto alguns estados alemães proibiam a emigração, outros garantiram-na, caso da atual Renânia, onde os efeitos do fim do feudalismo foram mais acentuados em função da proximidade com a França. Os camponeses podiam, agora, abandonar o campo, porém os efeitos da Revolução Industrial iniciada na Inglaterra já se faziam sentir, com as cidades repletas de cidadãos desempregados e sem habilitação para suprir as exigências da nova estrutura sócio-econômica. A industrialização irá destruir o sistema de produção artesanal, gerando desemprego e miséria, o que irá provocar a emigração da mão de obra ociosa.
As Pequenas propriedades não produziam o suficiente para alimentar as famílias. Além de trabalhar a terra, era necessário trabalhar com o artesanato. Porém, este sistema de trabalho artesanal era controlado pelas corporações, o que dificultava a inserção do artífice numa sociedade urbana, que já sofria os efeitos da industrialização. O trabalho na terra, por sua vez, já começava a sentir os reflexos da mecanização, tornando improdutivas as pequenas propriedades. Em conseqüência, temos um panorama de saques, impulsionado pela situação de miséria, o surgimento de doutrinas socialistas e o sentimento de nacionalismo. Emigrar passa a ser a esperança, já que acenava com a promessa de liberdade religiosa, a posse da terra fértil, o auxílio financeiro no primeiro ano, o recebimento de instrumentos para agricultura, alimentação abundante, o permitido corte das árvores (na Alemanha isto era proibido), o livre trabalho artesanal (já que no Brasil não existia o poder das corporações).

Foi este o quadro político e social que impulsionou o fenômeno emigratório na Alemanha recém saída do século XVIII.




FAMÍLIA KRUEL


Alguns resultados referentes à pesquisa sobre a família alemã Kruel que em 1827 partiu de Baumholder, Renânia Palatinado (Rheinland-Pfalz) em direção à Província do Rio Grande do Sul. A família viajou constituída do casal Karl e Juliana, com 37 anos e 35 anos respectivamente, e seus cinco filhos, com idades entre 1 e 14 anos.


A família Kruel depois de passar alguns anos na região colonial alemã de São Leopoldo (Picada Dois Irmãos), onde irão nascer seus outros cinco filhos, dirige-se para Santa Maria/RS, possivelmente, entre os anos 1845 e 1846.
Mais tarde, em torno de 1854, os filhos Frederico e João Ernesto Kruel irão fixar-se na Região das Missões, mais precisamente São Miguel da Missões, distrito de Santo Ângelo/RS.

Agradecimento especial :


Jacintha Kruel de Almeida que me cedeu suas pesquisas sobre a família Kruel. http://jacinthakrueldealmeida.blogspot.com/

José Antonio Brenner autor de Os Cassel de Santa Maria-desde o Glantal-Ed. UFSM e A Saga dos Niederauer-Ed. UFSM.


Agradeço, também, ao Sr.Fernando Kruel de Lemos que, cedendo para José Antonio Brenner as pequisas realizadas por Edemar Kruel e seu filho Edgar Fernandes Kruel, me permitiu ter acesso às informações ali contidas.

Os dados foram coletados:

Acervo Júlio Nicolau Curtis – FAU UniRitter
Arquivo Público do RS
Arquivo Histórico do RS
Arquivo Histórico da Diocese de Santo Ângelo/RS
Arquivo Histórico da Diocese de Santa Maria/RS
CHF – Centro de História da Família da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, Porto Alegre/RS
Landes Bibliotheks Zentrum, Speyer, Rheinland-Pfalz, Germany
Evangelische Archivstelle Boppard, Rheinland-Pfalz, Germany
Cartório de Registros Civis de Santa Maria/RS – 2ª zona
Paróquia Matriz de Porto Alegre da Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil
Arquivo da Comunidade Evangélica de São Leopoldo
Arquivo Histórico da Escola Superior de Teologia – São Leopoldo/RS
Museu Histórico Visconde de São Leopoldo
Museu Antropológico Diretor Pestana – UNIJUI/RS
Arquivo Beno Mentz – UFRGS
Arquivo da Cúria Metropolitana de Porto Alegre/RS
Arquivo Histórico Municipal de Santa Maria/RS
Arquivo Histórico Municipal Augusto César Pereira dos Santos de Santo Ângelo/RS
Instituto Genealógico do Rio Grande do Sul - INGERS
Cemitério Municipal de Santa Maria/RS
Cemitério Municipal de Santo Ângelo/RS
Registro de Imóveis -Santa Maria/RS
Museu Educativo da UFSM

Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: MOUSQUER, Zélce Darclé. (Inclua o título e data da postagem) in https://www.familia-kruel.com.br, nos termos da Lei nº 9.610/98.